18 privilégios legais que as mulheres têm e os homens não.

Asia Akira
Foto de Asia Akira – modelo profissional.

Os velhos, batidos e vigaristas discursos feministas sobre privilégio masculino, machismo, objetificação da mulher e direitos iguais, propagandeados não apenas em redes sociais mas em fóruns sobre direitos das mulheres, debates acadêmicos e grandes veículos não encontram eco nos códigos legais, majoritariamente aprovados na administração petista à partir de 2003. Mulheres têm tantas e exclusivas regalias legais que falar sobre igualdade jurídica significaria conceder os mesmos direitos a homens ou retirá-los das mulheres. É uma hipocrisia ou idiotice sem fim, propagar este discurso vitimista, sem base legal alguma.

LEI FEDERAL No. 13104/2015 (Lei do Feminicídio)
Aumenta a pena do homicida caso a vítima do homicídio tenha sido mulher

LEI Nº 8.213, DE 24 DE JULHO DE 1991 (Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências)
Determina tempo de contribuição e idade mínima da mulher para obter aposentadoria inferior ao do homem.

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006 (Lei Maria da Penha)
Amplia a caracterização de atos como violência e dá maiores penas quando a vítima for mulher.

LEI FEDERAL No. 150/2015 (Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico)
Prevê rescisão por culpa do empregador APENAS quando a violência feita pelo empregador ser contra uma mulher.

LEI FEDERAL No. 5948/2006 (Aprova a Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas)
Aumenta a punição caso a pessoa traficada seja mulher e prevê maior assistência a mulher.

LEI FEDERAL No. 0/2015 (Dispõe sobre a realização de cirurgia plástica feita no SUS em reparo aos danos causados por violência)
Dá direito de cirurgia plástica reparadora de sequelas de lesões causadas por atos de violência APENAS a mulher.

LEI No 10.778, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2003 (Estabelece a notificação compulsória do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados) Prevê notificação compulsória de violência APENAS quando a vítima for mulher.

LEI Nº 11.977, DE 7 DE JULHO DE 2009 (PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA)
Dá prioridade de atendimento às famílias com mulheres responsáveis pela unidade familiar. E dá preferencia de efetivação de contratos e registros em nome da mulher.

LEI Nº 11.804, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 (Disciplina o direito a alimentos gravídicos e a forma como ele será exercido e dá outras providências)
Determina que despesas referentes a alimentação especial, assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, parto, medicamentos e demais prescrições preventivas e terapêuticas indispensáveis deverão ser custeadas pelo futuro pai.

LEI Nº 11.489, DE 20 DE JUNHO DE 2007 (Institui data comemorativa)
Institui o dia 6 de dezembro como o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

LEI FEDERAL No. 10836/2004 (Programa Bolsa Família)
Determina que o pagamento do beneficio seja feito preferencialmente a mulher.

LEI FEDERAL No. 10745/2003 (Institui o ano de 2004 como o “Ano da Mulher”)
Determina ao Poder Público a divulgação e comemoração do “Ano da Mulher”.

LEI No 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964 (Lei do Serviço Militar)
Prevê obrigatoriedade de prestação de serviço militar do homem e isenta a mulher do serviço militar em período de paz.

LEI FEDERAL 12.272  (empoderamento da mulher no esporte)
Art. 1o É instituído o ano de 2016 como o Ano do Empoderamento da Mulher na Política e no Esporte.

Leis trabalhistas (CLT)

Toda mulher tem direito a intervalo de 15 minutos antes de começar o trabalho em jornada extraordinária, de acordo com o artigo 384 da CLT,

Aposentadoria: A idade mínima para mulheres é de 60 anos, enquanto os homens devem esperar até os 65.

Licença-maternidade de 120 dias (a partir do 8º mês de gestação), sem prejuízo do emprego e do salário, que será integral.

Ser dispensada no horário de trabalho para a realização de pelo menos seis consultas médicas e demais exames complementares.

Mudar de função ou setor de acordo com o estado de saúde e ter assegurada a retomada da antiga posição.

Aborto

A pauta do aborto é polêmica. Muito embora, a lei puna (em teoria) a mulher que praticar o aborto e seu facilitador; na pratica, não se tem notícia de uma única mulher presa devido ao exercício do ato. A exceção são os aborteiros, os médicos que praticam tal ilícito. O contraponto é que aos homens, não é permutado o direito de eximir-se da paternidade.

O Código Penal Brasileiro pune o aborto provocado na forma do auto-aborto ou com consentimento da gestante em seu artigo 124; o aborto praticado por terceiro sem o consentimento da gestante, no artigo 125; o aborto praticado com o consentimento da gestante no artigo 126; sendo que o artigo 127 descreve a forma
qualificada do mencionado delito. No Brasil, admite-se duas espécies de aborto legal: o terapêutico ou necessário e o sentimental ou humanitário (JESUS, 1999).

Fontes (não normatizadas):
É instituído o ano de 2016 como o Ano do Empoderamento da Mulher na Política e no Esporte. http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13272.htm

A legislação sobre o aborto e seu impacto na saúde da mulher, https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/131831/legisla%C3%A7%C3%A3o_aborto_impacto.pdf?sequence=6

Conheça 11 direitos trabalhistas só para mulheres, http://www.consumidormoderno.com.br/2015/04/15/conheca-11-direitos-trabalhistas-so-para-mulheres/

Anúncios

10 comentários

  1. Faltou o mais importante e na minha opinião temerário meu amigo.Aquele que diz que se a mulher tiver filho menor de 14 anos ela pode sair da cadeia e cumprir prisão domiciliar na molezinha em casa.Igual aconteceu com a “prefeita ostentação” que passou ontem 12/03/2018 no Programa do Roberto Cabribi no SBT.

  2. 1 – A lei do feminicídio existe, pq é mais comum o assassinato da mulher por parte do homem, do que o inverso.

    2 – Mulheres se aposentam mais cedo pq a maioria engravida, e isso provoca um desgaste físico gigante.

    3 – De novo, a vítima é mais mulher do que homem. Os homens recorrem mais à violência em uma discussão.

    4 – É mais comum do chefe abusar mais da empregada, do que a chefe abusar do empregado.

    5 – Porque a mulher sofre tráfico sexual em grande parte dos casos de tráfico.

    6 – De novo, a violência é na maior parte do homem contra a mulher, não o inverso.

    7 – Novamente, a violência do homem contra a mulher.

    8 – Porque em muitos casos, a mulher é abandonada com filhos. Vai trabalhar e cuidar dos filhos.

    9 – O pai não vai sofrer com um bebê na barriga.

    10 – Correto. Se somos nós que às agredimos, nós que as apoiemos.

    11 – A mulher muitas vezes tem que cuidar dos filhos sozinha, e por isso, trabalhar em casa ganhando menos, para cuidar dos filhos. O bolsa família vem como uma ajuda à ela.

    12 – Nada mais justo.

    13 – Os homens criaram essa obrigatoriedade do serviço militar, nós causamos as guerras, e ainda temos preconceito com mulheres no exercito.

    14 – Campos em que a mulher dava seu máximo, e não se destacava totalmente como os homens, não recebia o mesmo salário, e sofre preconceito.

    Leis trabalhistas – Mulher se cansa mais rápido, tem que fazer o comer das crianças, engravida, tem menopausa, tem problemas femininos de dor, tem cargos facilmente tomados por homens.

    Aborto – A mulher não é presa porque em grande porcentagem, quem força a mulher à abortar, é o medo da família, de perder o namorado, de perder o emprego, estupro, etc.

    • Tudo achismo… Sem dados. Sem provas. Senso comum e achismo. Aqui, já mostramos número considerável de mulheres que matam seus conjuges. Chegando a 1/3 dos casos.

  3. Ótima compilação. Mas podia acrescentar que no caso da LEI Nº 11.804/2008, dos alimentos gravídicos, que NÃO HÁ qualquer forma de devolução ou reparação caso depois se prove que filho não é de quem arcou com as despesas. Tão pouco qualquer punição à mãe acusadora mesmo que reste evidenciado que esta agiu de má fé. Ou seja, É PERMITIDO POR LEI colocar o encargo em qualquer homem que se queira bastando para isso apresentar depoimentos falsos de testemunhas.

  4. Muito bom mas faltou dizer que em Direito de Família somente a mulher recebe pensão ou parte dos bens do conjuge quando se divorcia, que até pouco tempo atrás a guarda das crianças era exclusivamente dada à mulher, que mulher recebe metade da pena dos homens pelo mesmo crime e que não se pode demitir funcionária grávida.

    • Amigo, isso não é verdade. Conheço uma mulher que depois do divórcio teve de pagar ao ex por ele ter direito ao apartamento que ela comprou.
      Também tive um amigo que a mulher largou dele e deixou os filhos. Depois pediu a guarda e não conseguiu pois os meninos queriam ficar com o pai. E ela doi condenada a pagar pensão. Um valor ridículo, mas foi.
      É verdade que ambos os casos são raros, o normal é o homem se lascar, acho que uns 90% dos casos o homem que toma prejuízo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s