Ministério Público CENSURA Bell Marques

Mais uma do Ministério Público. Incapaz de conter os 54.000 homícidios que ocorrem por ano, o MP resolve usar a estratégia do tamponamento (vedar uma hemorragia interna, e tratar os arranhões da pele…) e lutar contra crimes ficcionais sem vítimas: Censurar letra de axé (Cabelo de Chapinha, de Bell Marques), cujo único ato infracional é ser de de mal-gosto.

Bell Marques é censurado pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública
Bell Marques é censurado pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública

Cedendo ao rejeito intelectual do que existe de pior, mais autoritário e ditatorial dos justiceiros sociais, o MP e a Defensoria Pública juntam-se com ONGs e grupos feministas e racialistas de extrema esquerda para alterar a letra de uma das músicas do cantor Bell Marques.

“A música atinge duplamente a mulher, em especial a mulher negra. Fala de um homem que espera adequação da imagem da sua parceira ao gosto dele. E tem abordagem racista, quando ratifica as opressões que os corpos negros vêm sofrendo. É a imposição de um padrão estético que não nos contempla”, antropóloga Naira Gomes, idealizadora do movimento Empoderamento Crespo, ao Jornal MASSA!

A Sra. Naira Gomes deveria explicar aos amantes que esperam que ambos se adequem aos seus gostos, como devem proceder, visto que o enlace amoroso, sexual, afetivo ou o raio que o parta, parte do pressuposto de que as pessoas procuram agradar seus parceiros sexuais quando estão enamoradas: Arrumam-se, tratam o cabelo, banham-se e perfumam-se. Realmente, este padrão estético não lhes contempla. O que contempla movimentos sociais é a censura e a imposição reversa de suas próprias bizarrices e neuroses.

Mas aceitar isso de um movimento social é praxe. Difícil é assinar um termo que parece ter saído de algum trecho de 1984 de George Orwell, emitido pelo Ministério Público do Grande Irmão, chamado “TAC” (Nem o DOPS dos milicos conseguia ser tão criativo), “De acordo com o TAC assinado, o vocalista será obrigado ainda a fazer uma campanha contra o racismo e machismo durante o Carnaval de Salvador em 2016.”

Mas não é apenas o Ministério Público que contempla tendências grotescamente fascistas, a Defensoria Pública e a “OAB do B”, também (desta última, nem tem o que se falar)

Vilma Reis acredita que a música pode contribuir para a violência doméstica. “Muitas mulheres vivem situações extremas de violência, porque as coisas foram tratadas como brincadeiras. Uma sociedade que opina na estética vai querer exercer controle social sobre o corpo dessa mulher”, diz.

Uma sociedade que opina na estética, dona Vilma Reis, está exercendo seu inalienável direito de Liberdade de Expressão, isso é tão primário quem nem merece resposta (Artigo 5, IX, CF). Sua postura é Fascista. Colocar o Estado a frente da liberdade de expressão mais primitiva, como o senso estético pessoal, é FASCISMO!!!

É brincadeira? O que violência doméstica, crime que acomete homens também, tem a ver com música de Axé? Música que não fala de uma única forma de violência. Isso é Macarthismo feminista e racialista. É como no maldito filme Minority Report, onde as pessoas são presas por crimes que irão cometer num suposto futuro. É pior que a ficção: As pessoas são censuradas por crimes que supostamente e com extrema boa vontade, poderão cometer ao serem expostas a uma porcaria de música de 5a categoria.

A advogada Dandara Pinho, que também presidente da Comissão Especial de Igualdade Racial da OAB-BA, já tinha adiantado que a música podia virar caso da Justiça. “‘Cabelo de Chapinha’ é uma agressão, pois reforça o poder dos homens, incentiva o machismo e quebra a autonomia feminina, quando a mulher precisa fazer algo para agradar a seu parceiro”.

Poder de que? incentiva o que? Quebra o que? Fazer algo para agradar seu parceiro é algo tão doente que deve ser evitado? De certo, o correto é a mulher quebrar tudo dentro de casa e fazer o possível para ser uma caricatura grotesca do alardeado por esse movimentos fascistas. Uma carranca grotesca que não agrada ninguém e desagrada a todos. Isso é a própria compulsão anti-erótica, censória e doentia. É anti-biológico, anti-natural e fascista. Agradar-se mutuamente faz parte da própria experiência do amor romântico, segundo códigos regionais, nesse caso, o tosquissímo Axé.

Fonte:
http://atarde.uol.com.br/noticias/1732911/#recentes

Anúncios

Um comentário

  1. Disse tudo, um perigo para a arte e cultura brasileira isso, em protestos todos os artistas deveriam cantar nega do cabelo duro, cabelo de pixaim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s