Entrevista com o Dr. Vernon Coleman

Se dependesse do britânico, Dr. Vernon Coleman, ele próprio médico e doutor em Biologia, o melhor uniforme para seus colegas de classe, seria um selo na testa com a inscrição “Posso fazer mal a sua saúde!“. Coleman acusa-os de serem paus mandados da indústria farmacêutica (da qual absorve parte da culpa porque são apenas negociantes), e obcecados com cirurgias desnecessárias.

Se na Inglaterra, terra de Coleman, temos uma medicina tão preocupante em termos éticos, não podemos esperar nada melhor do Brasil, país que goza da prestigiosa posição de 125ª pior medicina do mundo, segundo a OMS. Por aqui, pacientes agonizam em leitos de papelão nos corredores de hospitais públicos, enquanto nos particulares são extorquidos por médicos em cirurgias desnecessárias e perigosas. Muitas vezes caindo no ciclo vicioso do “opera, piora e opera de novo para corrigir a barbeiragem do médico anterior“, isso tudo com o mesmo ar de complacência e serenidade de quem lhes chama para tomar um sorvete ou dá um passeio numa praça cheia de pacatos idosos. O que certamente é de uma frieza de doer nos ossos de um Hannibal Lecter.

Claro que eu não concordo com tudo que Coleman diz, mas ouvi-lo e constatar que os médicos atualmente têm duas posturas em relação ao paciente: Livrar-se do infeliz ou lucrar o máximo possível, é apenas a verdade dura e crua, e antes que você seja mais uma vítima de erro médico, ponha em prática o velho princípio prevencionista de desconfiar e sempre pedir uma segunda opinião. Se sempre desconfiamos de qualquer prestador de serviço, de companhias telefônicas a provedores de Internet, por que não tomamos a mesma atitude saudável em relação a médicos? Pessoas, em cujas mãos, depositamos nosso bem mais precioso, a saúde.

A entrevista a seguir, é a tradução do texto original em Inglês, “An Interview with Dr Vernon Coleman“. Disponível em http://www.vernoncoleman.com/main.htm

Q: Você é um médico qualificado? O que provocou o seu ceticismo sobre a profissão médica?
R: Eu sou um médico qualificado e registrado para a prática embora eu não tenha feito isso por muitos anos. Médicos são necessários e fazem muito bem. Mas o meu ceticismo é, receio, com base em sólida base científica e minhas críticas, em grande parte dizem respeito à forma como o estabelecimento médico é organizado e como os médicos se permitiram ser influenciados por forças comerciais. Eu pesquisei o que os médicos fazem com um olhar crítico e provei que, muitas vezes, os médicos fazem mais mal do que bem. Em muitos países, os médicos são agora uma das três principais causas de doença e morte (juntamente com câncer e doenças circulatórias). Um em cada seis pacientes no hospital está lá porque ele ou ela tem sido vítima de médicos. Quatro em cada dez pacientes que recebem tratamento com medicamentos sofrem de efeitos secundários graves ou mesmo risco de vida. É talvez pouco surpreendente que quando os médicos entram em greve, os níveis de morbidade e mortalidade de pacientes invariavelmente caem.

Q: Você toma medicamentos, se você está doente – se não como é que você sinta-se bem se você ficar doente?
R: Eu vou tomar medicamentos se eu precisar deles e acreditar que as vantagens superam as desvantagens. Mas a maioria dos problemas podem ser tratados sem medicamentos.

Q: Você acha que os médicos estão muito influenciada pela indústria farmacêutica?
A: Eu tenho sido um forte crítico da relação entre a indústria farmacêutica ea classe médica desde 1976, quando publiquei meu primeiro livro Os homens da medicina em que descrevo a forma que as influências da indústria controla a profissão médica. É fácil culpar a indústria farmacêutica (e muitas de suas práticas parecem-me ser grotescamente antiéticas), mas eu acho que a profissão médica tem a maior parte da culpa. As empresas farmacêuticas estão fazendo aquilo que foram programadas para fazer ganhar dinheiro. Eu não sinto que muita coisa mudou ao longo dos últimos 30 anos (desde que eu comecei a escrever livros sobre o assunto) e as empresas farmacêuticas ainda têm um enorme controle sobre os médicos e no que eles acreditam. A indústria tem uma enorme influência sobre todos os aspectos da educação médica, e os médicos são treinados para acreditar que a única resposta para os problemas médicos é, muitas vezes, alguma forma de intervenção farmacêutica. Isso está errado e é perigoso.

Q: Com certeza, os medicamentos devem, por vezes, ser usados para curar a doença.
R: Com certeza. Eu certamente não sou contra o uso de medicamentos, mas me oponho ao seu uso excessivo e abusivo. Por exemplo, a prescrição excessiva de antibióticos tem levado a enormes problemas – incluindo o desenvolvimento de superbactérias. Tenho alertado sobre este problema há décadas e previ o surgimento de superbactérias algumas décadas atrás. O uso excessivo de tranquilizantes levou ao maior problema de dependência do século 20. E muitas vezes os médicos não sabem realmente o que estão prescrevendo ou por quê. Por exemplo, os médicos às vezes prescrevem antibióticos para infecções virais (uma pratica inútil) e enquanto alguns médicos dão prescrições de antibióticos por dez dias, outros dão cinco ou até três cursos diários para os mesmos sintomas. Ignorância e falta de lógica causam muitos problemas. Na área de analgésicos, médicos sentem-se muito à vontade para usar pílulas quando, em muitos casos, outros métodos seriam mais seguros e eficazes. Por exemplo, máquinas de TENS são muito eficazes para combater a dor, mas muitos médicos não sabem sobre eles. A indústria farmacêutica e os estabelecimentos médicos conspiraram para mantê-los em segredo.

Q: Mais e mais pessoas estão se voltando para a medicina tradicional, complementar ou alternativa. Você acredita que mais médicos estão convencidos da utilidade deste tipo de medicamento?
R: Infelizmente, os médicos ainda relutam em aceitar que a medicina alternativa pode oferecer aos pacientes um ótimo negócio. E, muitas vezes os médicos fazem um curso de fim de semana adicional, digamos, de acupuntura, e depois acreditam que são terapeutas holísticos. Medicina holística significa tratar os pacientes com o que for melhor para eles  e isso é raramente visto. Infelizmente, alguns terapeutas alternativos são tão opostos à medicina ortodoxa que eles também deixam seus pacientes na mão. Num mundo ideal, o paciente será tratado com as terapias que funcionam melhor e com qualquer combinação de terapias que sejam as mais eficazes. É uma tragédia que isso seja tão raro.

Q: Os médicos que receitam tratamentos alternativos estão se comportando de forma responsável?
R: Sim. Definitivamente. Enquanto eles têm estudado os tratamentos que eles recomendam. Por exemplo, um bom médico deve sempre considerar encaminhamento dos pacientes com problemas nas costas ou juntas para um osteopata ou quiroprático e não apenas a um cirurgião. Eu acredito fortemente na medicina holística; com isso quero dizer que os médicos devem prescrever qualquer coisa que possa ajudar um paciente a ficar bem novamente. Na ausência de terapeutas holísticos (e há muito poucos) os doentes devem aspirar a ser pacientes holísticos.

Q: Como pode o paciente a aprender o equilíbrio entre a medicina ortodoxa e alternativa?
R: Para aprender. Leia livros. Cada paciente precisa ser seu próprio médico capaz de tirar uma parte real no diagnóstico e tratamento de doenças.

Q: Você suspeita de que os médicos sempre têm qualquer interesse pessoal em recomendar medicamentos de empresas específicas?
R: Há muitas evidências mostrando que os médicos podem ser comprados com refeições gratuitas, televisores e outros presentes. Seus hábitos de prescrição podem ser influenciados por representantes da empresa farmacêutica e, embora este não seja agora um problema tão grave como já foi, ainda é um problema.

Q: Certamente os pesquisadores não têm recursos para estudar novos medicamentos para curar doenças, se não forem pagos pelas empresas farmacêuticas?
R: Nós precisamos de uma indústria farmacêutica. Seria bom se a indústria fosse mais honesta, mas eu acho que devemos culpar os médicos por isso. Os médicos devem manter as empresas farmacêuticas mais honestas, sendo mais críticos. E os médicos devem ser mais independentes e devem perceber que as drogas são apenas parte do que eles podem fazer para os pacientes. […] As principais influências sobre a nossa saúde vêm da comida, água, condições de vida e de trabalho e assim por diante. Os números mostram que as taxas de mortalidade não melhoraram muito no século passado. Taxas de mortalidade infantil caíram muito por causa de melhores condições de moradia, mais água potável e assim por diante e essas melhorias têm afetado valores globais na expectativa de vida. Mas as empresas farmacêuticas (e médicos) gostam de fingir que estamos todos a viver mais tempo por causa das drogas. Isso simplesmente não é verdade.

Q: Você é contra o uso de anti-depressivos? Você acha que a depressão é uma doença criada pela indústria farmacêutica?
R: Quando a minha campanha contra o excesso de prescrição de tranquilizantes levou diretamente a uma queda no número de prescrições, eu previa que as empresas farmacêuticas iriam começar a empurrar anti-depressivos com muito mais dificuldade. Isto é exatamente o que eles fizeram. Anti-depressivos agora muitas vezes prescritos para pessoas que são infelizes ou que têm problemas de estilo de vida. O excesso de prescrição destes medicamentos em condições inadequadas causa muitos problemas adicionais.

Q: Que outras doenças você acha que são também criadas’ pela indústria médica?
R: É freqüentemente alegado que a asma é muito mais comum do que era. Mas, na verdade esses médicos diagnosticam asma dias depois que uma criança espirra algumas vezes. E, em seguida, o paciente pode ser colocado em drogas para toda à vida. Poucos médicos têm tempo para procurar as causas. Muitos produtos químicos em casa (por exemplo, sabão em pó) podem causar chiado no peito. Remova a causa eo problema desaparece. E muitos médicos prescrevem medicamentos anti-hipertensivos para pacientes cujos problemas poderiam, talvez, ser resolvidos se eles simplesmente comessem menos gordura, perdessem  peso e fizessem exercício.

Q: Você acha que os são governos coniventes com a indústria farmacêutica?
R: Sim, muito. Os governos estão com medo que as empresas farmacêuticas fiquem irritadas por causa do seu poder e do dinheiro que elas trazem para o país. Para dar um exemplo simples: quando fez campanha em 1997, o Partido Trabalhista britânico prometeu investigar a utilidade de experimentos com animais. Muitos amantes dos animais, votaram no Partido Trabalhista por causa disso. Após a eleição, e sob a influência das empresas farmacêuticas, o governo trabalhista perdeu todo o interesse em parar a vivissecção e fizeram tudo o que podiam para se certificar de que as empresas farmacêuticas poderiam fazer tantas experiências quanto quisessem. (Mesmo quando os testes em animais mostram que a droga é perigosa, ela é usada ainda nos seres humanos. Alegam que os animais são tão diferentes das pessoas que maus resultados podem ser ignorados. […]

Q: E sobre as agências governamentais que existem para proteger os pacientes e disciplinar médicos e empresas farmacêuticas?
R: Eu costumava ter mais fé do que tenho agora. Eu não tenho certeza se me tornei mais desconfiado ou eles mudaram. Geralmente eu não tenho fé em todas as organizações que existem para proteger os pacientes. O problema é que há muito movimento entre empresas farmacêuticas e essas organizações. Cientistas passam de uma para a outra. E, em muitos países, os médicos e os cientistas trabalham para as empresas farmacêuticas e os organismos consultivos.

Q: Como é que os hospitais poderiam se tornar um lugar melhor para os pacientes?
R: Os antigos egípcios tinham hospitais com música, flores etc. hospitais modernos são estressantes, cheios de bactérias, burocráticos e hostis. O paciente é muitas vezes considerado como um inconveniente. Todos os que trabalham no hospital devem se lembrar que a pessoa mais importante que existe é o paciente. Pelo menos metade de todos os administradores deveriam ser demitidos e o dinheiro gasto em mais enfermeiros voltado para cuidar melhor dos pacientes. Cuidar é uma parte essencial da cura.

Q: E sobre as acusações de médicos que recebem dinheiro para pesquisa de novas drogas e depois não publicam os resultados ruins ou inconvenientes?
R: Eu venho, há muitos anos, protestado publicamente sobre a maneira que as companhias farmacêuticas suprimem resultados inconvenientes. As empresas farmacêuticas devem ser severamente punidas por isso.

Q: Qual é o principal problema com medicamentos os efeitos colaterais que eles produzem ou a sua fraca eficácia?
R: As drogas muitas vezes não são tão eficazes como as empresas farmacêuticas dizem que são. Mas o grande problema são os efeitos colaterais. Eu não acredito que haja uma única droga no mundo que não tenha efeitos colaterais. Se um paciente toma um remédio para salvar a sua vida, de certo, os efeitos colaterais não importam muito. Mas se a droga está sendo usada para tratar algum pequeno problema, então é uma tragédia se a droga pode matar.

Q: Quais as drogas que você acha que são mais amplamente sobre-prescritas?
A: Tranquilizantes e anti-depressivos têm arruinado muitas vidas por sererem sobre-prescritos. Mas o uso excessivo de antibióticos provavelmente está causando maiores problemas com o surgimento de muitos patógenos resistentes. Drogas anti-câncer são, em grande parte, uma piada. O mundo provavelmente seria um lugar melhor e mais seguro, sem nenhuma delas. Elas são extremamente rentáveis, mas eu suspeito que matam mais pessoas do que curam.

Q: E sobre a tendência crescente de governos, empresas farmacêuticas e médicos em incentivar a auto-medicação?
A: Todos os três incentivam a auto-medicação, mas por razões diferentes. Os governos querem que as pessoas comprem os seus próprios medicamentos, pois economiza o dinheiro público. As empresas farmacêuticas querem vender drogas direto aos doentes, porque os lucros são maiores. E os médicos incentivam a auto-medicação, pois significa menos trabalho para eles. A automedicação é boa se os pacientes sabem o que estão tomando e por quê.
Infelizmente, a informação disponível é muitas vezes desigual, não confiável e insuficiente. Pacientes tendem a usar mais drogas e sofrem efeitos colaterais desagradáveis​​, como resultado. Se um paciente que toma um fármaco desenvolve novos sintomas, então, pela Lei de Coleman, os novos sintomas são causados ​​pelo fármaco.

Q: Medicamentos danificam os mecanismos de defesa do organismo humano?
R: Eu acredito fortemente que o corpo humano tem defesas sólidas contra a doença. Eu escrevi pela primeira vez sobre isso no meu livro Bodypower em 1983, sobre como o uso de drogas danifica esses mecanismos de auto-defesa e tornam o indivíduo mais vulnerável.

Q: Soma-se a sua atitude em relação a medicamentos prescritos.
R: As drogas podem salvar vidas. Mas também podem matar. Precisamos de mais médicos que entendam os benefícios e perigos objetivamente.

Q: Você acha que os pesquisadores médicos nunca perdem tempo e dinheiro?
R: As empresas farmacêuticas gastam muito tempo e dinheiro à procura de drogas, novas variações sobre temas rentáveis. Eles estão, por exemplo, constantemente à procura de novos tranquilizantes e anti-depressivos, porque são rentáveis. E eles estão constantemente procurando a introdução de novos medicamentos que são promovidos com grande entusiasmo porque se encaixam em um nicho de mercado e, em seguida, calmamente retirados e esquecidos, alguns anos depois. E lembre-se que as empresas farmacêuticas muitas vezes criam mercados para as drogas, criando doenças -elas têm feito muito sucesso, por exemplo, com medicamentos para a menopausa.

Q: A incidência de doença psicológica está aumentando dramaticamente. Você tem alguma idéia do porquê?
R: Há enormes lucros a serem conseguidos com tranquilizantes, comprimidos para dormir e antidepressivos. A maioria dos pacientes que tomam estes medicamentos não precisam deles e não se beneficiam deles. As únicas pessoas que realmente se beneficiam são as empresas farmacêuticas. Os médicos prescrevem essas drogas porque distribuir receitas é mais rápido e mais fácil do que investigar as causas e oferecer aconselhamento adequado.

Q: Você diz que os médicos não são ensinados bem. Como deveriam ser ensinados os estudantes de medicina?
R: Aos alunos deve ser ensinada a verdadeira medicina holística. Eles devem aprender a ver o paciente como pessoa. E eles devem investigar todas as causas de uma doença (ambiente, sistema imunológico, estresse etc.) antes de oferecer uma solução. Os alunos devem ser ensinados que os pacientes podem se beneficiar de uma mistura de tratamentos, incluindo, se necessário, medicamentos, cirurgia e medicina alternativa.

Q: Você acha que os médicos são lentos para aceitar novas idéias?
R: Os médicos têm sido muito lentos em reconhecer a importância da dieta na saúde. Houve evidências de décadas que mostram que a carne causa câncer. Se você comer muita carne é mais propenso a morrer de câncer. Isso é um fato. Os médicos não vêem isso, porque eles raramente leem a pesquisa original. Eles só leem os folhetos distribuídos pelas empresas farmacêuticas que só mencionam drogas terapêuticas. E as revistas médicas, que fazem enormes quantidades de dinheiro com publicidade de medicamentos, não lidam com essas questões também. Eu li recentemente sobre um médico que prescrevia carne para seus pacientes, porque ele pensou que iria torná-los saudáveis​​. Relatei-o ao Conselho Geral de Medicina, alegando que ele estava fazendo algo que era perigoso para seus pacientes, mas o GMC não estava interessado, é claro. O GMC é muito mais preocupado em defender o estabelecimento médico, do que cuidar dos interesses dos pacientes.

Q: Que danos check-ups médicos podem causar aos pacientes? Você não acha que check-ups podem descobrir a doença em estágios iniciais?
R: check-ups não são mais úteis do que um extrato bancário único. Se você tiver um extrato bancário de um ano, ele lhe dará uma falsa visão de sua saúde financeira. Check-ups médicos produzem uma grande quantidade de falsos negativos e falsos positivos e dão às pessoas uma falsa sensação de segurança. É muito melhor dizer aos pacientes que problemas devem se ater e dizer-lhes sobre os sinais de alerta importantes que mostram problemas iminentes.

Q: Que danos podem ocorrer depois de tomar as vacinas?
R: As vacinas têm causado (e causam) enormes problemas. Tenho sido um crítico desde os anos 1970. Elas podem danificar o cérebro e o corpo. O seu valor é amplamente super-estimado e seu perigo descontroladamente subestimado. O problema é que algumas vacinas evitam a propagação de doenças. Mas a um custo elevado para os indivíduos. Os governos não se importam em sacrificar indivíduos para o bem da comunidade. Eu não acho que os médicos deveriam fazer isso. Qualquer um que tenha de vacinar-se, deve certificar-se de que seu médico assine um documento assumindo a responsabilidade se as coisas derem errado (se o paciente fizesse isso haveria muito menos vacinas.) Tem havido muita pesquisa mostrando os perigos das vacinas. Mas algumas dessas pesquisas são suprimidas porque são inconvenientes. […]

Q: Você não acha que as vacinas têm ajudado na erradicação de doenças como a poliomielite? Não é este um bom argumento a favor da vacinação? Em regiões pobres doenças como o sarampo são muito perigosas. Não são vacinas uma forma de evitar muitas mortes?
R: Se você aceitar que milhares de pessoas vão morrer ou sofrer grandes dificuldades para o bem da comunidade, então, vacinas, provavelmente, têm um lugar. Eu acho que o preço é muito grande. Muitas grandes reivindicações são feitas para as vacinas. Mas os benefícios são geralmente exagerados. Muitas doenças foram reduzidas em números muito antes das vacinas serem introduzidas. Melhores condições de vida e antibióticos não vacinas- são responsáveis​​. Se você olhar para os gráficos verá que as doenças infecciosas estavam caindo antes das vacinas serem introduzidas e que as vacinas estão matando mais pessoas do que poupando vidas.

Q: Os sonhos mundiais de uma vacina contra a Aids ou o câncer. Você acha que é uma possibilidade?
R: Não, Há muitas melhores maneiras de lidar com os problemas. A melhoria do sistema imunitário é a chave.

Q: O risco de uma infecção hospitalar é elevado, mas algumas doenças têm de ser tratadas no interior do hospital. Como pode um paciente saber se o risco vale a pena ou não?
R: Se o seu estado de saúde vai matá-lo, então ir para o hospital é obviamente essencial. Mas eu gostaria de tentar manter-se fora de um hospital para as coisas que não ameaçam a minha vida.

Q: Será que o corpo tem o poder de auto curar-se?
R: Com certeza. Já escrevi sobre isso em livros como Bodypower, Mindpower e SuperBody.

Q: Você não aceitar que os avanços médicos sejam responsáveis ​​por aumentos na expectativa de vida.
R: Não. Isso é um mito apresentado por empresas farmacêuticas e instituições médicas. Melhores condições de vida são responsáveis ​​pela redução da mortalidade infantil. E é a redução da mortalidade infantil, que levou a aparente maior expectativa de vida. Pessoas que sobreviveram a infância viveram até seus 80 ou 90 a partir de um ou dois séculos atrás. Há pessoas mais velhas hoje em dia, porque as populações têm crescido. E há problemas em lidar com elas, porque há doenças crônicas e porque as famílias jovens não tem tempo ou dinheiro para cuidar de suas saúdes.

Q: Você acha que o retorno do médico de família à moda antiga pode melhorar as coisas?
R: Com certeza. O médico de família real, atua como intérprete e agente dos pacientes, ajudando a guiá-los através de todas as formas disponíveis de diagnóstico ou tratamento, explicando o que está acontecendo e dando apoio. Infelizmente, os médicos de família são agora uma raridade. O dinheiro é gasto em medicamentos desnecessários e na administração em seu lugar.

Q: Você disse que durante as greves de alguns médicos, as taxas de mortalidade diminuiram. É realmente o caso?
R: Sim. Tratamentos demais provocam muitas doenças. Em muitos casos, o corpo pode curar a si próprio, sem ajuda médica. Greves, tanto na América e Israel levaram a uma queda nas taxas de mortalidade.

Q: Qual é o segredo de um bom médico?
R: O médico deve ouvir, ouvir e ouvir. Muitas vezes, um bom médico pode saber mais ouvindo do que examinando. Medicina de alta tecnologia é otima, mas ouvir ainda é crucial. E muitos médicos não encontram tempo para isso.

Q: Ser vegetariano é uma boa maneira de prevenir a doença?
R: Sim. Não há dúvidas sobre isso. A evidência científica está resumida no meu livro Food for Thought e no meu site.

Q: Você é vegetariano?
R: Sim. Eu sou vegetariano porque eu não quero comer animais. Mas não é por isso que eu recomendo que os leitores sigam uma dieta vegetariana. Eu acredito que comer carne causa muitas doenças e que uma dieta vegetariana é muito mais saudável. Se eu acreditasse que a carne é essencial, seria minha responsabilidade como um autor dizer a verdade   e eu ainda não comeria carne.

Q: Você tomou vacinas quando era uma criança?
R: Foi-me dadas algumas vacinas quando criança e, felizmente, fui um dos sortudos: Eu sobrevivi a elas. Mas quando eu era uma criança, tomávamos muito menos vacinas que as crianças recebem nos dias de hoje. Os riscos da maioria das doenças para as quais as vacinas são agora prescritas, são leves. Por exemplo, o sarampo não mata muitas crianças. As vacinas são dadas para o benefício econômico da comunidade e não para a saúde do indivíduo. Se concorda com isso, então você pode aprovar as vacinas. Eu considero que seja uma atitude política fascista em vez de uma cura ou uma atitude humanitária.

Q: Quais são as suas opiniões políticas? Poderia descrever-se como de esquerda ou direita?
A: Eu não sou nem de esquerda nem de direita (embora os leitores às vezes supõem que eu seja uma coisa ou outra e não é raro para mim receber e-mails no mesmo dia me acusando de ser um extremista em ambas as direções Eu mesmo recebi emails me acusando de ser um apoiante de certa posição (um conceito que, tenho certeza, é uma surpresa considerável para os apoiadores). Estou furioso com a injustiça, desumanidade e autoridade opressora e as minhas preocupações são apenas para lutar por liberdade e justiça.

Direitos autorais Vernon Coleman 2006

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s