Esquizofrênia Senoidal

Azeite Gallo é a nova vítima das acusações injuriosas de racismo da turma do Politicamente Correto.

Azeite Gallo
Maldito Azeite Gallo Fascista, Reacionário e Racista!

Em física, senoide é uma forma de onda que simboliza as alterações mínimas e máximas de um estado. Por exemplo, a nossa energia, fornecida pelas companhias elétricas, é alternada, assim sendo ela oscila entre +220v e -220v (ou 110v, para os sulistas), num gráfico ondulado. Por isso, você não precisa se preocupar com a polaridade da tomada ao conectar seus aparelhos elétricos na energia alternada.

No Brasil, vivemos um fenômeno social semelhante: Com a lei Caó, aplicada de maneira desordenada, não apenas importamos a histeria americana do racismo (país tipicamente segregado e racista, onde não há miscigenação, ao contrário do nosso), como também criamos mecanismos legais para punir a torto e a direita todo aquele que é considerado racista pela opinião pública. Trata-se de uma acusação muita séria, entregue como ovo de serpente a todos os brasileiros, visto que algumas campanhas comerciais apelaram a calúnia e a difamação coletiva, com o despejo de acusações publicitárias, vide o comercial “Onde você guarda o seu racismo?”, que xingava o povo de terra brasilis até a exaustão. Então quer dizer que eu sou racista? Minha mãe? Meus amigos? Não, caros. ONGs não apitam aqui em casa! Racista é o Diabo que as carregue!

Quando falo do fenômeno senoidal, me refiro a alternância da histeria midiática, propagada por ONGs racialistas (e às vezes racistas), e outras GLBT. Em determinados momentos, o “crime”  da moda é acusar a sociedade de homofóbica, e em outros, de racista. Como ninguém aguenta mais a camada mais rica da sociedade ( os pseudo “defensores” do público homossexual), xingando tudo e todos, a imprensa polarizou seu conflito social para a questão da histeria e complexo de racismo das ONGs politicamente corretas, e deu um tempo na coisa do movimento gay. Um exemplo claro é o processo movido por parte reclamante na CONAR (órgão que regulamenta a publicidade no Brasil) contra o azeite Gallo, acusado de elaborar conjuntamente com agência, peça publicitária racista. Ocorre que neste anúncio, há uma alusão a nova embalagem do azeite, escura, que protege o líquido precioso: “O nosso azeite é rico. O vidro escuro é o segurança.”

Tal frase, suscitou, segundo os esquizofrênicos, um esteriótipo, como se a empresa afirmasse que todo negro é segurança! Uma bobagem. A frase remete a vestimenta dos seguranças, majoritariamente escura, de ponta a cabeça, e não a etnia. Mas para a turma da censura, é mais conveniente uma acusação básica de racismo. Isso dá mídia, sabem! Ademais, como citou o blogueiro O. Braga: “Poderíamos interpretar o anúncio do azeite Gallo de outra maneira: o vidro escuro impede a luz — que é de cor branca — de penetrar no produto. E nesta medida, tratar-se-ia de um anúncio racista contra os brancos, porque o anúncio faria discriminação contra a cor branca. E poderíamos continuar nesta esquizofrenia ideológica-política, ad infinitum.” E então? Vamos continuar com essa bobajada de acusações impertinentes? Eu digo mais, a frase poderia suscitar preconceito contra os seguranças, afinal, será que ser segurança é tão ruim, que a profissão não pode ser associada a nenhum grupo?

Fontes:
http://www.publico.pt/Sociedade/azeite-gallo-contestado-no-brasil-por-publicidade-a-embalagem-de-vidro-escuro-1535926

http://espectivas.wordpress.com/2012/03/01/no-brasil-ser-seguranca-escuro-e-racismo/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s