Che Guevara – mais mito que realidade

por Carlos I.S. Azambuja em 18 de agosto de 2005

Che Guevara e Fidel Castro
Che Guevara e Fidel Castro

Filho de uma família aristocrática argentina, Che Guevara, que cometeu o erro de confiar em Fidel Castro, levou a que toda uma geração de latino-americanos, que acreditou em seus escritos e em seus exemplos, fosse dizimada em seu nome.

“O revolucionário deve ser uma fria e seletiva máquina de matar”

(CHE GUEVARA, citado por JORGE CASTAÑEDA; jornal “La Época”, do Chile, 31 Jan 97)

O texto abaixo é dedicado àqueles homens e mulheres – a meus amigos, especialmente a uma grande amizade – que, um dia, certamente de boa fé, acreditaram ou continuam acreditando no mito Che Guevara (1928-1967) fabricado pela mídia e por uma esquerda que, afinal, revelou-se, em todo o mundo, um fracasso ao tentar impor às pessoas um presumível bem-estar em troca da liberdade. Sua morte e o desaparecimento de seu corpo, em 1967, na Bolívia, ajudaram a forjar essa legenda.

É surpreendente que os admiradores contemporâneos de Che Guevara, ainda agora, 38 anos depois de sua morte, continuem equivocados ou sendo enganados pelo mito.

É uma seleção do melhor de quatro matérias do escritor peruano Álvaro Vargas Llosa – filho de Mario Vargas Llosa – publicadas em julho e agosto de 2005 pelo jornal argentino El Clarin.

Filho de uma família aristocrática argentina, Che Guevara, que cometeu o erro de confiar em Fidel Castro, levou a que toda uma geração de latino-americanos, que acreditou em seus escritos e em seus exemplos, fosse dizimada em seu nome.

Embora diante do colapso político e ideológico de tudo que Che Guevara representava, por ironia da História, El Che, hoje, é uma marca essencialmente capitalista. Sua imagem com a onipresente foto com sua boina, tirada nos anos 60 por Alberto Korda, adorna jarros, chaveiros, gorros de beisebol, camisetas, lenços, jeans, etc. Há, inclusive, um sabão em pó cujo slogan é “Che lava más blanco”. Esses produtos são comercializados por grandes corporações e empresas. Como para dar força à ironia, o prédio em que nasceu Che Guevara, em Rosário, Argentina, até há pouco esteve ocupado pelo fundo de aposentadorias privadas AFJP Máxima, um dos filhos da privatização da seguridade social na Argentina.

Em 1997, no trigésimo aniversário de sua morte e ano em que foram descobertos seus restos mortais em Vallegrande, Bolívia, cinco biografias de sua vida chegaram às livrarias.

Durante a luta armada, em Cuba, contra Fulgencio Batista, logo ao entrar em Havana Che Guevara executou ou supervisionou as execuções, após julgamentos sumários, de dezenas de suspeitos “inimigos do povo” e de todos aqueles que se encontravam no lugar errado em momento errado.

Como indica seu diário de Sierra Maestra, Guevara eliminou Eutímio Guerra, suspeito de estar passando informações. Diz o diário: “Acabei com o problema dando-lhe um tiro com uma pistola de calibre 32 na têmpora direita. Seus pertences passaram a meu poder”. Mais tarde, “justiçou” Aristídio, um camponês que manifestou o desejo de abandonar a guerrilha. Também não titubeou ao ordenar a morte de Echavarria, irmão de um de seus camaradas, acusado de crimes não especificados. “Tinha que pagar um preço”, diz o diário.

Jaime Costa Vasquez, um comandante do exército revolucionário, conhecido como “El Catalan”, ainda vivo, sustenta que muitas execuções atribuídas a Ramiro Valdés, que mais tarde viria a ser Ministro do Interior de Cuba, foram responsabilidade direta de Guevara porque Valdés, nas montanhas, estava sob suas ordens. “Ante la duda, mátalo”, eram as instruções de Che.

Ainda segundo ”El Catalan”, nas vésperas da vitória, Che ordenou a execução de duas dezenas de pessoas na província de Santa Clara, onde havia chegado sua coluna como parte do ataque final ao governo. Alguns foram fuzilados em um hotel – como escreveu Marcelo Fernández Sayas, outro ex-revolucionário que se transformou em jornalista -. Entre os executados havia camponeses que se haviam unido ao exército de Batista apenas para escapar do desemprego.

Porém, a “fria máquina de matar” somente manifestou todo o seu alcance depois da queda do regime, quando Fidel Castro o designou responsável pelo cárcere de La Cabana. De uma forma que recorda Laurenti Beria, chefe da NKVD, Guevara foi responsável, durante o primeiro semestre de 1959, por um dos períodos mais obscuros da revolução.

Segundo Jose Vilasuso, advogado e professor da Universidade Interamericana de Bayamón, em Porto Rico, que pertenceu ao corpo responsável pelos processos judiciais sumários em La Cabana, “minha função era legalizar profissionalmente as causas e passá-las ao ministério fiscal, sem julgamento algum. Se fuzilava de segunda à sexta. As execuções eram realizadas de madrugada, pouco depois que a sentença fosse prolatada e confirmada de forma automática pelo corpo de apelação. A noite mais sinistra que recordo 7 homens foram executados”.

Javier Arzuaga, capelão que ministrava consolo aos sentenciados à morte e que presenciou dezenas de execuções, que hoje vive em Porto Rico, deu seu testemunho: “Em La Cabana estavam 800 homens em um espaço em que não cabiam mais de 300. Eram militares do exército de Batista, policiais, jornalistas, empresários e comerciantes. O Juiz não era necessariamente um homem de leis e sim um membro do exército rebelde, como todos aqueles que serviam de juízes. Quase todas as apelações eram presididas por Che Guevara e não recordo de nenhum caso cuja sentença tenha sido revogada (…) Até o mês de maio, quando fui embora, assisti a 55 fuzilamentos. Um dos comandantes dos pelotões de fuzilamento era o americano Herman Marks, que parecia gozar quando gritava ‘Pelotão! Atención! Apunten! Fuego!’ (…) Quando me despedi, Che Guevara me disse: ‘Se nos encararmos de novo, seremos inimigos frente a frente’”.

Entre janeiro e fins de junho de 1959, quando Che Guevara deixou de chefiar La Cabana, cerca de 400 pessoas foram lá executadas. Os telegramas secretos enviados pelo embaixador dos eUA à Casa Branca falam de “mais de 500”. Segundo Jorge Castañeda – um dos biógrafos de Che Guevara – ex-Ministro das Relações Exteriores do México, falou de 700 vítimas. Felix Rodríguez, um conhecido agente da CIA que participou da perseguição e prisão de Che Guevara na Bolívia, disse que após sua captura o interrogou sobre as “cerca de 2.000 execuções que havia sido responsável em sua vida”. Che, sem questionar a cifra, respondeu que “todos eram agentes da CIA”.

Uma outra faceta pouco conhecida porém central, de Che Guevara, era seu impulso em despojar as pessoas de suas propriedades. Em suas memórias o líder egípcio Gamal Abdel Nasser registra que Che Guevara lhe perguntou quantas pessoas haviam abandonado o país por causa das reformas. Quando Nasser lhe respondeu que ninguém havia ido embora, Che replicou, furioso, que a forma de medir a profundidade das mudanças era através do número de pessoas “que sentem que não há lugar para eles na nova sociedade”. Esse instinto predatório alcançou seu ponto mais alto em 1965, quando Che começou a falar, como se fosse Deus, do “Homem Novo” que ele e sua revolução criariam.

Essa sua obsessão pelo controle coletivista fez com que, logo no início de 1959, ele e Fidel Castro se tornassem responsáveis pelo projeto do Estado policial cubano. Ramiro Valdés, subordinado a Che durante a guerra de guerrilhas, foi nomeado chefe do G-2, uma organização planejada segundo o modelo da Cheka. Angel Ciutah, um veterano da guerra civil espanhola, que havia estado muito próximo de Ramón Mercader, o assassino de Trotsky, e que mais tarde tornou-se amigo de Che, desempenhou um papel-chave na organização do G-2, juntamente com Luis Alberto Lavandeira que havia desempenhado o cargo de supervisor em La Cabana. Che Guevara, por sua vez, apoderou-se do cargo de chefe do G-6, o organismo encarregado de doutrinar ideologicamente as Forças Armadas.

Em 1961, quando da invasão da Baía dos Porcos por exilados cubanos respaldados pelos EUA, se converteu na ocasião perfeita para consolidar o novo Estado policial, com a prisão de milhares de cubanos e uma nova série de execuções. Segundo Guevara disse ao embaixador soviético Sergei Kudrivisey, “os contra-revolucionários jamais voltariam a levantar a cabeça”. “Contra-revolucionário” foi o termo utilizado por Guevara para designar os que se afastavam do “dogma”. O sinônimo comunista de “hereje”.

Em seu início, a revolução mobilizou voluntários para construir escolas e trabalhar em portos, canaviais e fábricas. Existem fotos de Che como estivador, colhedor de cana e operário têxtil. Todavia, em pouco tempo esse trabalho voluntário tornou-se um pouco menos voluntário e logo o primeiro campo de trabalhos forçados, réplica dos Gulags soviéticos, foi organizado em Cuba, em Guanahacabibes, em fins de 1960. Che explicou a função que exercia o campo de Guanahacabibes: “À Guanahacabibes são mandadas as pessoas que não devem ir para a prisão. As pessoas que tenham cometido faltas à moral revolucionária (…) É um trabalho duro, não um trabalho bestial”.

Esse campo foi o precursor do posterior confinamento sistemático que começou em 1965 na província de Camaguey, de dissidentes, homossexuais, católicos, testemunhas de Jeová, sacerdotes afro-cubanos, sob o estandarte das Unidades Militares de Ajuda à Produção.

O seu período à frente do Banco Nacional de Cuba, durante o qual imprimiu papel-moeda assinados por “Che”, foi assim resumido por Ernesto Betancourt, seu segundo nesse cargo: “Encontrei no Che uma ignorância absoluta a respeito dos princípios mais elementares da economia”. A percepção de Che sobre a economia mundial foi celebremente expressada por ele durante uma conferência hemisférica realizada em 1961 em Punta Del Leste, ao predizer um crescimento de 10% em Cuba “sem nenhum temor” e, para 1980, uma renda per-capita maior do que a dos EUA hoje”. A verdade é que em 1997, quando do trigésimo aniversário de sua morte os cubanos viviam com uma dieta de 2 quilos de arroz e meio quilo de feijão, por mês, 120 gramas de carne duas vezes ao ano, 120 gramas de pasta de soja por semana e 4 ovos por mês. Isso porque, com a reforma agrária, as terras expropriadas não foram para os camponeses, mas para os burocratas do partido único.

Em 1963, foram abandonadas todas as esperanças de industrializar Cuba e a revolução aceitou ser abastecedora de açúcar do bloco soviético em troca do petróleo para cobrir suas necessidades e revender a outros países. E durante as três décadas seguintes, Cuba sobreviveria graças a um subsídio soviético que oscilava entre 65 e 100 milhões de dólares anuais.

Mais: imediatamente após o triunfo da revolução em Cuba, Che organizou grupos guerrilheiros na Nicarágua, República Dominicana, Panamá e Haiti. Todos foram desmantelados pelos exércitos desses países. Em 1964 enviou à morte o jornalista revolucionário argentino Jorge Masseti, fundador da Prensa Latina, convencendo-o de que deveria lançar um ataque contra seu país-natal desde a Bolívia. Também desastrosa foi a expedição de Che Guevara ao Congo em 1965, país que foi forçado a abandonar clandestinamente.

Mais tarde, na Bolívia, Che, pela última vez, foi novamente derrotado. Em seu diário, Che escreve uma melancólica frase: “As massas camponesas não nos ajudam em nada”.

Che, sem dúvida, era audaz e rápido em organizar a vida sobre uma base militar nos territórios sob seu controle, porém não era nenhum general Giap. Seu livro “Guerra de Guerrilhas” ensina que as forças populares podem derrotar qualquer exército e que não se faz necessário aguardar as chamadas condições objetivas, porque um foco insurrecional constituído por um pequeno grupo de guerrilheiros, apartados do partido, podem criar essas condições e, ainda, que a luta se desenvolverá prioritariamente nas zonas rurais. Essa foi, em resumo, a Teoria do Foco Guerrilheiro.

A verdade é que, na América Latina todos os foquistas foram reduzidos a cinzas.

Apesar de tudo isso, Frei Beto, no II Fórum Social Mundial, agora, no Século XXI, disse, em um discurso, que “A sociedade do futuro, mais livre, mais igualitária e mais solidária se define em uma só palavra: socialismo”. Pediu uma salva de palmas para Karl Marx e completou que “o homem novo deve ser filho do casamento de Ernesto Che Guevara e Santa Teresa de Jesus”.

Fonte: http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=3979

Anúncios

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s